domingo, 4 de abril de 2010

Entrevista com Michèle Sato sobre Educação Ambiental


Esta edição da revista eletrônica Educação Ambiental em Ação tem a honra de apresentar a professora doutora da Universidade Federal de Mato Grosso (UFMT) e consultora do Ministério do Meio Ambiente (MMA) Michèle Sato, um referencial nacional e internacional da Educação Ambiental.Por Berenice Gehlen Adams.

Apresentação: Esta edição da revista eletrônica Educação Ambiental em Ação tem a honra de apresentar a professora doutora da Universidade Federal de Mato Grosso (UFMT) e consultora do Ministério do Meio Ambiente (MMA) Michèle Sato, um referencial nacional e internacional da Educação Ambiental. Recentemente Michèle lançou o livro "Educação Ambiental - Pesquisa e Desafios", pela Artmed Editora, organizado por ela em parceria com Isabel Carvalho. Dispensando maiores detalhes, Michèle se apresenta: "Sou facilitadora da Rede Mato-Grossense de Educação Ambiental (REMTEA), professora da Educação da Universidade Federal de Mato Grosso (UFMT) e atuante no movimento ecológico internacional. Casada, com dois filhos lindos de morrer, tenho um quintal meio abandonado e uma casa sem estrelas, exceto aquelas que olhamos no céu junto com o clarão do luar. E habita em meu ser a dualidade da disciplina e da transgressão; da poética e da irônica; da mediadora e da provocadora".

Vamos conhecer um pouco mais da sua valiosa experiência através desta entrevista:


- Michèle, conte-nos como surgiu o seu interesse pela Educação Ambiental (EA) e desde quando você se dedica a ela com tanto fervor. Como foi essa trajetória?

* Acredito ter tido forte influência de meu pai, um zen budista cuidadoso com a natureza, seja nas pequeninas vidas, bem como nos sistemas cósmicos que regem o mundo. Suas palavras incentivaram à bondade humana no cuidado com outras formas de vida. E que como retornamos à Terra, teríamos que cuidar dela. O respeito e o gosto pela natureza me conduziram a escolha pela Biologia. Ingressei no mestrado em oceanografia, e me frustrei durante o projeto Antártida. Fui dar aula em escola da periferia de São Paulo e me apaixonei - tanto pela educação como pela luta de inclusão social. Depois fui cair na filosofia para um mestrado na Inglaterra, fiz uma trajetória inversa no doutorado em Ecologia na UFSCar e sou professora da Pedagogia na UFMT. Enfim, hoje sou esta metamorfose ambulante sem definição. Ora filósofa, ora poeta, ora educadora, ora ecologista, ora tudo isso misturado. E gosto destas múltiplas personalidades, e não abriria mão de nenhuma delas.

- Como você percebe a Educação Ambiental, de uma forma ampla e global?

* Um projeto de vida que luta pela democracia participativa, na busca da inclusão social através da justiça ambiental e proteção ecológica. Para além de espaços escolarizados, para além de comunidades, um projeto de construção de uma Nação, chamada Brasil. Acho que não temos o sentido de brasilidade, dá certo status falar mal dos políticos, criticar sem reconhecer que o Brasil somos nós, e que de nós depende o Brasil de nossos sonhos. Morei fora do Brasil durante muito tempo, tanto em países ditos ricos como pobres. Estou convicta de que aqui é o melhor lugar do mundo e que a nossa EA made in Brazil é bonita, criativa, crítica e propositiva.

* A impressão que eu tenho é que as pessoas estão perdendo a cotidianidade em nome desta tal globalização. Todo ser humano representa um movimento de diferença. E essa diferença se expressa e se visibiliza no campo da cultura e também da EA. No V Fórum da REBEA, Carlos Rodrigues Brandão nos dizia que lia uns 2-3 livros simultaneamente: Capra, Morin, Prigogine. Ele comentava que faltava chão, ou seja, padecia por algo mais concreto, atitudes mais cotidianas, que permitissem que ele exercesse sua cidadania. Citando vários exemplos de coisas simples, destas coisas que as pessoas julgam ser irrelevantes, mas que tocam nossas vidas tão profundamente, ele finalizou sua fala: “aprende Morin!”. Vibrei tanto naquela hora... E tenho muita identidade neste resgate antropológico que o Brandão quis nos convidar. Situamo-nos no mundo, amplo e global, mas cada qual com sua identidade, jeito e forma de pensar. Clifford Geertz nos pediria para refletir sobre meras atitudes triviais perante o mundo. Eu não sou contrária à complexidade e cosmicidade humana, mas prefiro revelar signos, gestos e um conjunto de expressões que nos confiram mais sabor na serena forma de viver. Isso não implica, entretanto, que ignore a teia universal da vida planetária. Adoro Prigogine e acato sua teoria do caos de forma incondicional. Ordem na desordem, ou harmonia no caos.

- Quais associações possíveis de serem feitas entre a Educação Ambiental e a pluralidade cultural?

* Há uma generalização mundial em se medir qualidade de vida por apenas 3 indicadores: longevidade, PIB e escolaridade. Não importa se a renda é bem distribuída, ou se meia dúzia de famílias controlam o poder econômico. O tempo de vida das pessoas localiza-se na qualidade desta vida, muito além dos anos que ela poderá viver. E a escolaridade não se reduz ao número de matrículas, nem ao número de escolas, mas na aprendizagem capaz de ousar transformações. Nem sempre as pessoas bem informadas ou com titulação tomam as decisões corretas. Há um universo de sabedorias explícito na pluralidade cultural que deve ser considerado. Para além do IDH, portanto, nós estamos tentando construir indicadores qualitativos e que estas comunidades nos digam o que significa viver bem. No conceito de felicidade desta gente, a espiritualidade é evocada de forma intensa, misturado com símbolos, mitos e lendas que foram criados num mecanismo de tentar se explicar os fenômenos da vida. Sem as rígidas normas científicas, são saberes biorregionais pulsantes em cada cultura. Aqui, o educador não ensina, muito menos conscientiza as pessoas. Mas formamos uma comunidade dialógica de aprendizagem colaborativa - formamos um grupo pesquisador com multireferenciais que ultrapassam “disciplinas” (portanto não é apenas interdisciplinaridade), e que obviamente, são visões que se confrontam, se chocam e se divorciam nas singularidade de cada sujeito. Aceitamos as interferências e propomos a mediação pedagógica que possa tornar o conflito como fator da EA. Se o discurso sobre a proteção à biodiversidade é um completo consenso, há que se resgatar, também, estas diferenças culturais que nos situam numa arena de debates sem fim. É bom ressaltar que violências, sejam simbólicas ou diretas, não são diferenças, mas são mordaças e ditaduras que devem ser combatidas e denunciadas.

- Para você, qual é a importância dos trabalhos em rede, para a consolidação da Educação Ambiental?

* A Era Moderna tem herança da hierarquia, do autoritarismo e também do “salve-se quem puder”. As organizações sociais marcadas pela estruturação das redes vêm tentar demolir estes velhos “paradigmas”. Entretanto, o que seria fácil derrubar conceitualmente, torna-se um enorme desafio aos movimentos sociais, pois ainda há lutas de poder, talvez não do rei aos súditos, mas deste microcosmo entre os próprios súditos. Temos muito que aprender ainda, mas eu acredito que as redes apresentam nossa militância, nossa paixão, nossa luta generosa em se entregar incondicionalmente à luta ecológica. Estou convicta de que nossa produção científica da academia e a formulação das políticas públicas dos governantes são mais consistentes no diálogo aberto entre todos. E que a sociedade civil tem enorme contribuição ao processo político de lutas. Sem privilegiar um ou outro segmento, desde que as redes agregam todos os territórios e identidades, representa, assim, um laboratório dinâmico de experiências, acertos e erros. É aqui que se coloca o grande desafio de aceitar as diferenças, sem se permitir violentar ou assistir passivamente diferentes olhares que se contrapõem. Gostaria de reforçar que não podemos tomar tudo como diferenças culturais, há aquelas vozes que representam violências. Estes devem ser denunciados, combatidos e banidos, pois representam um círculo vicioso do poder concentrado, da iniqüidade social e da degradação ambiental.

- O que você teria para colocar sobre a proposta de uma Educação para o Desenvolvimento Sustentável da UNESCO?

* Tenho tecido críticas ao Desenvolvimento Sustentável (DS) desde a defesa do meu doutorado (1997). Ancorada na proposição de sociedades sustentáveis, presentes inclusive nos Tratados da EA, e que representa um viés político de grande significado ao ecologismo. O contraponto básico é que devemos reinventar novos parâmetros de vida para além do enfoque economicista expresso na nossa bandeira nacional “ordem e progresso”. Durante o lançamento da década da educação para o DS, na América Latina e Caribe, fizemos oposição explícita lançando o Manifesto pela Educação Ambiental. Com apoio da REBEA, eu e o Mauro Guimarães conseguimos fazer um “certo barulho”. O que seria proposta brasileira, se alargou rapidamente, e hoje temos signatários de quase todos os continentes (falta Oceania) e cerca de mil pessoas do mundo inteiro a favor da identidade da EA. O número é reduzido, mas eu considero a qualidade destas pessoas. Quem assinou o manifesto demonstra coragem em ainda lutar contra o forte aparato autoritário, recusando a fazer parte do passivo “natural”, ainda resiste e não perde a esperança. Frente aos danos ambientais, muitas vezes me dá a impressão que falta gente nesta luta e que somos muito poucos. Recolher mil assinaturas, assim, é de significado qualitativo enorme à tessitura de uma EA mais política.

- Diante de tantos desafios impostos para a consolidação desta prática educacional, qual é, deles, para você, o maior desafio da Educação Ambiental?

* Não acredito no aprisionamento da EA como uma ilha paradisíaca fora do continente. O Brasil está em crise e o mundo também. Vivemos um momento histórico da humanidade sem precedentes e a EA não poderia se furtar de problemas globais. Portanto, nossos desafios são enormes. No plano específico, acredito que há várias ameaças, desde a ausência de tempo para flexibilizar currículos e promover formação dos sujeitos, passando pela ausência de financiamento em projetos comunitários, até o próprio enfoque desenvolvimentista que acarreta a injustiça ambiental. Como conseqüência, as assombrosas violências contra o segmento ambientalista que empipocam cá e lá, ameaçando a vida de pessoas que exatamente lutam por elas. Nossa ação está muito longe de ser finalizada e não tenho certeza se iremos ganhar na proteção e justiça ambiental. Entretanto, a esperança continua para que nossos filhos e a famosa geração futura consigam, minimamente, viver com dignidade.

* Acredito que os desafios são inerentes às temáticas que cada qual atua no campo da EA. Geração de lixo, poluição de qualquer tipo, desmatamento, energia tradicional, usinas hidrelétricas, perda da biodiversidade, emissão de gases que causam estufa e danificam a camada de ozônio, ausência de formação dos sujeitos, currículo inflexível, escolas e universidades tradicionais. Governos insensíveis, segmentos sociais alienados, pobreza e miséria, entre tantos outros dilemas do mundo que inevitavelmente refletem na EA. Neste exato momento, onde ultrapasso um momento ruim e histórico de minha própria vida, acredito que a violência (social, ambiental, individual) seja o maior desafio à EA.

- Fale-nos um pouco sobre os "sabores" e "dissabores" da Educação Ambiental.

* Considerando que os dissabores já foram citados na questão anterior, permito-me a lançar boas tessituras da EA. Entretanto, o paradoxo se estabelece na imensidão do que acredito que seja EA, pois não sabemos definir ou escrever algo grandioso em poucas palavras. E quando conseguimos, fica faltando alguma coisa, porque não se descreve complexidades do mundo quando estamos no interior dele. Sou uma destas pessoas apaixonadas pela causa ambiental e por isso mesmo, cometo erros terríveis. Se fosse mais fria, menos envolvida e menos emocional, talvez a racionalidade pudesse ofertar mais conceitos. Entretanto, sinto que é esta emoção que torna a EA tão admirável e significativa na minha vida. É melhor vivê-la do que conceituá-la. Se eu fosse poeta e me perguntassem qual seria a melhor estação pra poesia, pensaria... Será no calor do verão sob o céu azul do mar, com um copo gelado de um suco ou fruta da estação; ou se na florida primavera de aromas e cores que inspiravam a palavra. Talvez a poesia fosse mais internalizada na beleza do outono das folhas secas, refletida na solidão purpúrea da alma. Ou, quem sabe, na aridez do frio, do copo do vinho ao ritmo dança dos corpos cansados pelo sexo na labareda das chamas da lareira. Mas sendo uma educadora ambiental, a melhor estação da EA é a poesia.

- Há algo que não perguntei e que você considera importante de comentar?

* Agradeço a constante atenção e parabenizo, por mais uma vez, a Revista Eletrônica da Educação Ambiental em Ação. Também gostaria de dizer que a lista facilitada pela Bere é uma das mais sensíveis, pois brota da cooperação, da solidariedade e da bondade de seus participantes. Num mundo grotesco exposto às mentiras, violências e corrupções de todas as ordens, é muito acalentador ler as mensagens que circulam entre seus participantes. São manifestações que nos conduzem a refletir que “um outro mundo é possível”.

- Deixe uma frase, uma palavra, uma poesia ou uma idéia que você pode compartilhar com os/as leitores/as da revista eletrônica Educação Ambiental em Ação:

* Não restam dúvidas que a palavra da EA já foi dita. Há uma tradição dos patrimônios conceituais e práticos dela inegáveis e um movimento de resistência para que ela continue a sua rota existencial. Haverá os que duvidam dela, indagando sobre sua utilidade ou poder de revolução. A EA que compreendo é a forma da minha própria existência, de respirar pela manhã e contar estrelas pela noite. É meu jeito de viver, querendo escutar o riso da vida. E é delicioso saber que atitudes triviais e singulares do meu cotidiano possa ser compartilhados com esta linda comunidade de aprendizagem. Obrigada pela oportunidade.

Todos os créditos são da revista eletrônica Educação Ambiental em Ação -

Um comentário:

  1. Bom dia, sou professor Jorge Antunes, coordeno o projeto Jaciara Mata Viva www.jaciaramataviva.eafsjac.com.br , solicito autorização para postar essa brilhante entrevista com Michele Sato no nosso site.

    Aguardo contato pelo email jaciaramataviva@hotmail.com

    ResponderExcluir